O cabo-verdiano Jorge Octávio Soares Silva é o vencedor, por unanimidade do júri, da 3.ª edição do Prémio Literário Arnaldo França, atribuído pela Imprensa Nacional-Casa da Moeda em parceria com a Imprensa Nacional de Cabo Verde.

 

Mundo é o trabalho galardoado na 3.ª edição deste prémio dirigido a cidadãos cabo-verdianos (a residir em Cabo Verde ou no estrangeiro) ou residentes em Cabo Verde há mais de 5 anos.

Esta edição do Prémio Literário Arnaldo França contou com Germano Almeida como presidente do júri, do qual fizeram também parte a editora-chefe da Imprensa Nacional, Paula Mendes, e o jornalista e académico Daniel Medina. Mundo foi selecionado por entre 18 candidaturas.

A propósito de Mundo o júri disse tratar-se de «um texto que refere com consistência a vivência do homem cabo-verdiano quer em Cabo Verde quer na diáspora, neste caso Angola, porém de uma forma leve, alegre e bem humorada, características normalmente ausentes da literatura cabo-verdiana.».

Além dos 5 mil euros do valor pecuniário do prémio Jorge Octávio Soares Silva, que concorreu com o pseudónimo Kaabedotx, deverá ver, já no próximo ano, a publicação do seu trabalho pelas duas editoras Publicas: Imprensa Nacional Casa da Moeda e Imprensa Nacional de Cabo Verde.

De recordar que o propósito da atribuição deste galardão literário é o da promoção da língua portuguesa e do talento literário em Cabo Verde, bem como homenagear a destacada figura da literatura e cultura cabo-verdiana, Arnaldo França. 

Nas edições anteriores, o Prémio Literário Arnaldo França distinguiu as obras Beato Sabino, de Olavo Delgado Correia (vencedor 2018); O Sonho de Ícaro, de Onestaldo Gonçalves (menção honrosa 2018) e Contos de Cabo Verde, de Benvindo Gomes Semedo (vencedor 2019).